27 maio, 2009

soneto de devoção - vinicius de moraes


essa mulher que se arremessa fria
e lubrica aos meus braços, e nos seios
me arrebata e me beija e balbucia
versos,votos de amor e nomes feios.

essa mulher,flor de melancolia
que se ri dos meus palidos receios
a única entre todas a quem dei
os carinhos que nunca a outra daria.

essa amor que cada amor proclama
a miséria e a grandeza de quem ama
e guarda as marcas de meus dentes nela.

essa mulher é um mundo! - uma cadela
talvez... - mas na moldura de uma cama
nunca mulher nenhuma foi tão bela.

3 comentários:

O diário de um homem morto disse...

Uma verdadeira poeta ;)

Dani Antunes disse...

UM verdadeiro. Vinicius era perfeito! ♥
Adoro!

C. disse...

Os entendidos de poesia dizem Vinícius conseguia fazer um tipo de verso (esqueci o nome agora) como nenhum outro, o que faz dele um poeta único.