03 abril, 2013

liberdade ainda que tardia

me encontra na rua. Me para, me conversa. Me pergunta por onde ando, digo que  apaixonada. Ando apaixonada, respiro apaixonada. Vejo que namora outra vez. Não sei como me sinto. É engraçado, por tanto tempo do fundo do meu coração desejei que você super homem, encontrasse alguém que te fizesse o bem. E sinto como você se sentiu provavelmente. Um misto de alegria e dor. Que fique claro que muito mais    alegria que dor, uma vez que nós tentamos, mas falhamos meu amor eu não tenho porque não desejar que outra pessoa lhe faça feliz.
Eu tenho fé na força do silêncio. Me calo. Mantenho a calma. Fecho os olhos e penso.
Quanta felicidade eu sinto aqui, na cama estreita. A felicidade que um dia eu pensei que jamais teria. A felicidade que eu tanto desejei. Agora eu tenho. Não tenho nenhum lugar onde eu gostaria de estar mais que aqui, nessa cama debaixo da janela no quarto pequeno.
Te sorrio, ainda que mentalmente. Ainda que despreparada para lidar que finalmente acabou, que me sinto livre, depois de anos desejando um dia te ver de novo, te ter de novo. Hoje eu não consigo, olhar e ver que morreu. Que ainda tem um sentimento muito bonito pra você aqui dentro de mim, uma vez que nunca houve veneno nenhum. Mas que é um sentimento passivo. O amor, aquele que me fazia arrepiar, perder o fôlego,não.
Esse, eu guardei pro camisa 10 do time de pernas de pau, pro cara que eu não consigo ficar longe, que nao consigo não rir, esse eu guardei pro magrelo do 301. Eu guardei pro cara que me faz pensar, que é mais simples do que parece.
livres, ainda que tarde. Ainda que depois da meia noite.

3 comentários:

vanessa komatsu disse...

Espero ainda poder provar dessa tal liberdade.. ou ao menos aceitá-la, que acredito já estar aqui.

difícil largar o osso qdo ele é o nosso tesouro maior.. difícil mesmo é aceitar que somos nosso tesouro maior e que nosso amor pode caber tanto no passado com alguém, como dentro do peito por si mesmo e por outro alguém, desconhecido talvez.. não importa...

Ainda que em mim ainda corria um certo veneno.. o errado me veio dessa vez não contra, mas a favor, novamente para me mostrar que existe uma outra forma de ver as coisas que não as de sempre..

e faço, hoje, das suas palavras as minhas:

"Eu tenho fé na força do silêncio. Me calo. Mantenho a calma. Fecho os olhos e penso."

VLB disse...

Combinou com o meu momento...
Alguém que escreveu o que pensei =D

vampire disse...

Este poema retrata mesmo a verdadeira essência do amor pois o amor é ver a felicidade de quem amamos mesmo que com outra pessoa.
Muito bom